123

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

CARTA ABERTA DA ARTICULAÇÃO DE ESQUERDA RONDÔNIA

            

            ARTICULAÇÃO DE ESQUERDA - RONDÔNIA 



Neste momento em que o Partido dos Trabalhadores vive o processo de eleição direta para escolher aqueles que estarão à frente do partido nos próximos anos, a Articulação de Esquerda, tendência interna busca contribuir com a militância no sentido de continuar sendo o PT uma ferramenta a ser manuseada pelas classes subalternas.
Uma das contribuições refere-se a necessidade de se pensar que, embora, nestes últimos doze anos a vida daqueles que sempre ficaram fora das políticas públicas melhorou e, isto, de forma significativa, faz-se urgente refletir sobre os erros cometidos e, em especial, os desvios éticos, estes graves, posto que seja inadmissível a um instrumento que busque contribuir na construção de um mundo sem injustiça, sem diferenças de classe, de cor, sexo e/ou opção sexual, fundado nos valares do respeito, da tolerância e da solidariedade, ter em seus quadros, pessoas que ao assumirem algum tipo de poder cedem a corrupção.
        Uma questão fundamental encontra-se no fato de que aqueles que se desviaram eticamente fazem do PT, por um lado, um mecanismo para ganhos pessoais e, por outro, como administram a máquina do partido, não são punidos, não respeitam o Estatuto da agremiação, desqualificam o partido e se desqualificam.
     Em consequência de administrarem o PT com finalidades pessoas, de grupos, acabam em disputas, também, de cunho pessoas, caem em uma rede de intrigas, de fofocas, calúnias de toda ordem. Acusam-se mutuamente, afastando com isso a militância histórica, autenticamente petista.
    Talvez a consequência mais grave e mais visível desta forma de gerir o PT tenha sido a perda da Prefeitura de Porto Velho!
     E por falar em prefeitura, o PT neste PED deve pensar que no ano que vem há a questão da reeleição da companheira Dilma e disputa para governo do Estado, sem mencionar as eleições para os parlamentos federal e estadual.
   Assim, o Partido para continuar na missão de transformar o Brasil e um país que seja de todos que trabalham, precisa mudar o modo de ser conduzido. É urgente corrigir os erros, os desvios, pois só assim, o PT estará acima de todos os filiados, sejam eles lideranças sociais ou políticas; ocupem cargos de direção partidárias ou sejam parlamentares, o PT deve ser sempre maior.
    A Articulação de Esquerda, pensando nisso, lança como candidato à presidência nacional o companheiro Valter Pomar e, em municipal a companheira Luciana Basílio, pois ambos apresentam as condições de o PT corrigir os rumos, superar os erros cometidos e, com isso, fazer com que a militância autêntica retorne.
    Na questão de Porto Velho, onde vivenciamos e, porque não dizer, fazemos parte dos acertos e dos erros do PT local, eleger Luciana Basílio significa colocar na presidência uma companheira de lutas, alguém que não tem compromissos pessoais com quaisquer indivíduo ou grupo. Eleger Luciana Basílio é retomar a histórica, honesta e autêntica militância que fez o PT ser o maior mecanismo posto nas mãos dos marginalizados para superarem esta condição. Só elegendo Luciana Basílio haverá um Partido unido em torno de interesses dos oprimidos de Porto Velho e não em interesses de cunho pessoal.
     Além da eleição da Companheira Luciana Basílio significar que se, de um lado o PT tenha divergências saudáveis no campo teórico, onde diferentes teses sejam pensadas, de outro, ter-se-á unidade nas ações, coisa que falta hoje em Porto Velho devido ao modo que o partido vem sendo administrado nas últimas décadas, no qual. Sempre prevalecem os interesses de grupos em detrimento dos interesses coletivos.
Outra questão é a tarefa de o PT de Porto Velho contribuir com a reeleição da companheira Dilma. Em consequência de, por um lado, estar a frente do Partido uma companheira que pensa o PT acima dos interesses particulares, pessoais e de grupo, e, por outro, estando as diferentes forças internas fortalecidas, o debate será mais qualificado, a autêntica, histórica e honesta militância estará engajada, unida em torno de objetivos maiores e, assim, a o PT de Porto Velho, poderá ser uma ferramenta mais qualificada para desenvolver de modo exitoso a tarefa de reeleger Dilma.
      Um último motivo de ter Luciana Basílio a frente do PT em Porto Velho tem haver com o respeito que tanto ela quanto a AE tem em relação aos movimentos sócias. Tanto Valter Pomar em nível nacional como Luciana possuem o respeito e admiração daqueles que são e/ou estão ao lado do povo. Isto porque ambos sempre estiveram e continuam a estar onde o povo estar. Este fato possibilitará ao PT uma aproximação mais consistente com os movimentos, o fortalecendo e fazendo com que continue sendo a ferramenta das classes que sempre foram exploradas. Afinal é está a razão de o PT existir!

      Diante do exposto, fica evidente que Valter Pomar em nível nacional e Luciana Basílio em nível municipal sejam a alternativa que o PT têm de fazer as correções necessárias, resgatar a metodologia de haver diversidade nas teses mas unidade nas ações, sendo tanto aquelas quanto estas pensadas sempre nos interesses da classe trabalhado e jamais em interesses pessoais ou de grupos e, com isso, fazer com que o a tarefe de contribuir com a reeleição de Dilma seja mais exitosa, além de significar um reencontro do PT com suas raízes presentes nos Movimentos Sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário