123

terça-feira, 25 de junho de 2013

Rede Globo, o povo não é bobo

por Plínio de Arruda Sampaio Jr.  

Assustada com as mobilizações populares que romperam duas décadas de marasmo político e letargia social, após um momento de grande perplexidade, a ordem estabelecida deu uma primeira resposta à revolta social que toma conta do Brasil. Seu ponto de vista aparece de maneira escancarada na estética e no discurso da grande mídia falada e escrita. Não por acaso, as grandes redes de televisão tornaram-se um dos alvos preferenciais da fúria popular, ao lado de outros símbolos do poder burguês e da modernidade fútil - os prédios públicos, os bancos, as concessionárias de automóveis.

Por representar o que há de mais comprometido com tudo o que há de pior do capitalismo selvagem, a perspectiva da Rede Globo é emblemática de como a plutocracia brasileira enxerga as mobilizações populares que abalam a “paz social” e ameaçam seus privilégios seculares. As imagens da Rede Globo são quase que invariavelmente feitas a partir de duas perspectivas: do alto das coberturas dos prédios e dos helicópteros ou atrás da tropa de choque. É uma verdadeira metáfora de como a burguesia lida com o conflito social: distante dos problemas da população e em oposição frontal a quem luta por direitos coletivos.

Preocupados com a possibilidade de a revolta popular transformar-se numa revolução política, a grande mídia martela dia e noite palavras de ordem que têm como objetivo neutralizar o potencial subversivo da revolta popular. No “fim da história”, as rebeliões não podem ter causa. Daí a insistência em instrumentalizar a ira contra os partidos da ordem – PT, PSDB, PMDB, PSB etc. –, para estigmatizar todo e qualquer partido e para banir toda e qualquer bandeira política que possa dar um horizonte revolucionário à energia humana que brota de baixo para cima.

A ladainha ultraconservadora é repetida ad nauseam nos jornais, rádios e televisão. Bonner à frente, os grandes meios vociferam consignas reacionárias. seguir lendo >>

fonte: http://www.correiocidadania.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário