123

quarta-feira, 12 de junho de 2013

O fim do delírio neodesenvolvimentista

O avanço da crise econômica mundial pôs uma pá de cal nos delírios neodesenvolvimentistas do governo brasileiro.  A impossibilidade de continuar surfando na bolha especulativa, gerada pela entrada maciça de recursos externos, obrigou as autoridades econômicas a se adaptar aos novos tempos.

O pesado legado de uma política econômica temerária, cuja essência consistia em ignorar a gravidade da situação internacional e promover uma farra de consumo, financiada pelo endividamento das famílias e do país, deixou a economia brasileira sem margem de manobra para enfrentar as terríveis pressões do grande capital financeiro nacional e internacional em tempos de crise.

A ausência de horizonte para os investimentos produtivos, a elevada vulnerabilidade cambial provocada pela explosão do passivo externo, o altíssimo comprometimento da renda das famílias trabalhadoras com o pagamento de dívidas e o avançado estado do processo de desindustrialização são apenas alguns dos fenômenos mais conspícuos que caracterizam a extraordinária fragilidade da economia brasileira para enfrentar os tempos tempestuosos que se avizinham.

Quando vista em conjunto, a iniciativa do Planalto de privatizar o SUS, a entrega dos portos aos grupos privados, o açodamento na venda do pré-sal e a decisão do Banco Central de voltar a elevar os juros, priorizando o combate à inflação em detrimento do crescimento econômico, refletem uma rendição incondicional às novas exigências do grande capital.

A guinada na política econômica, caracterizada pela nova onda privatista e pela recomposição do rentismo, é apenas o primeiro ato de uma nova ofensiva do capital sobre a economia brasileira. 

fonte: http://www.correiocidadania.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário