123

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Ministro Pepe abre o jogo: O velho INCRA não serve mais.


Ministro Pepe Vargas
'Governo Dilma está trabalhando com uma nova sistemática'
O Estado de S. Paulo - 23/08/2012

Ministro diz que reforma agrária está sendo integrada às políticas sociais, que "têm melhores condições que o Incra"

Em entrevista ao Estado, o ministro do Desenvolvimento Agrário, o petista Pepe Vargas, disse que o governo Dilma está realizando mudanças na condução da reforma agrária. Uma das mais evidentes é a redução do papel do Incra.

P - Como vê as manifestações de descontentamento dos movimentos com as ações do governo?

R - O governo compreende que queiram mais agilidade. É o papel do movimento social. Mas o governo tem um conjunto de demandas para atender. Não olha só uma questão. Acusam o governo de não fazer assentamentos. No ano passado foram assentadas mais de 22 mil famílias. Neste ano também estamos fazendo assentamentos.

P - Os recursos do Incra não foram contingenciados?

R - Os recursos para a obtenção de terra não estão contingenciados. Estamos trabalhando, mas com uma nova sistemática.

P - O que muda?

R - No passado, o Estado assentou muita gente em condições precárias. Temos assentamentos que se desenvolveram bem, são produtivos e integrados ao mercado. Mas também temos os que não se desenvolveram. Nossa preocupação agora é dar condições para que se tornem produtivos. É para isso que estamos integrando o Programa Brasil Sem Miséria ao programa de reforma agrária. Queremos que as famílias entrem nos assentamentos com um grau de transferência de renda que torne viável sua sobrevivência. Por outro lado, também estamos integrando a reforma às políticas especiais desenvolvidas nos últimos anos. O Minha Casa Minha Vida, por exemplo, tem um braço rural que garante subsídios para a construção de habitações em condições muito melhores do que as oferecidas pelo Incra.

P - Quantas famílias de sem-terra estão acampadas no País?

R - É um número volátil e difícil de ser calculado. Sabemos, no entanto, que é muito menor do que dez ou 15 anos atrás. Isso se deve ao crescimento econômico, com distribuição de renda e geração de emprego. A pressão caiu.

/ R.A.

os grifos são nossos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário