123

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Fátima Cleide recebe adesão do Partido Pátria Livre - PPL (ex-MR8)

O Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores em Porto Velho oficializará na manha desta sexta-feira, 22, a aliança com o Partido Pátria Livre – PPL. O evento acontecerá, às 10 horas, no auditório da sede petista, Avenida Calama, n° 895, bairro Olaria.

O ato contará com a presença do Presidente do PPL, Leandro de Jesus, com a pré-candidata à Prefeitura de Porto Velho pelo PT, Fátima Cleide, pré-candidatos a vereadores e entre outros representantes.

De acordo com o Coordenador do Grupo de Trabalho Eleitoral – GTE,  Inácio Azevedo, após a realização do Encontro Municipal do PT,  no último sábado, 16, foi iniciado a construção de coligação e o primeiro partido a entrar é o PPL, um partido novo.

Conforme o Presidente do PT em Porto Velho, Tácito Pereira, “o nome da companheira Fátima Cleide foi ovacionado pela militância petista no sábado, o PPL e seus candidatos proporcionais são bem vindos na aliança. Reforço que o PT está aberto ao diálogo com os demais partidos. Iremos buscar fazer aliança em apoio a nossa candidatura a prefeita de Porto Velho, como também para vereadores e vereadoras com todos os partidos políticos que queiram conversar com o PT”, disse Tácito.

Inácio Azevedo acrescentou :  “sabemos que o prazo final de convenção está se aproximando, o PT realizará a sua no dia 30, portanto estaremos nessa reta final ultimando as conversas com os demais partidos políticos”.

O que é, de onde vem e o que defende o PPL?


O Partido Pátria Livre é resultado da organização do Movimento Revolucionário 8 de Outubro, o MR8, como partido registrado no TSE. Segundo o art. 3º do seu estatuto,  "o Partido Pátria Livre se orienta pelos princípios e pela teoria do socialismo científico... ". A sigla MR8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro) presta homenagem ao guerrilheiro Ernesto Che Guevara ao referir-se à data (8 de outubro) em que Guevara foi preso na Bolívia e depois assassinado pelos miltares daquele país, em 1967.

Oriundo de uma dissidência do PCB e atuante desde o final da década de 60, o MR8 viu passar por suas fileiras importantes figuras do movimento de resistência à ditadura como Franklin Martins, Fernando Gabeira, Lamarca, Stuart Angel, Cid Benjamin, entre vários outros.

Com o início do processo de redemocratização do país, o movimento passou a atuar partidariamente dentro do PMDB e com atuação concreta nos movimentos sociais, sobretudo no movimentos estudantil e sindical, com forte presença na CGTB (CGTB — Central Geral dos Trabalhadores do Brasil). O MR8 edita atualmente o jornal Hora do Povo. Em São Paulo, o dirigente peemedebista Orestes Quércia era tido como forte apoiador do grupo, mas a recente aproximação de Quércia com o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), levou as lideranças do MR8 a repensarem a permanência no PMDB e trilhar outro caminho. Na sua época de sua organização, chegou-se a cogitar a possibilidade do MR8 passar a integrar o Partido dos Trabalhadores, atuando dentro dele como tendência, mas acabou prevalendo a decisão de se lançar um novo partido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário