123

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Que a Rio+20 não sirva apenas como palco de denúncias.

do site Outras Palavas (*)
Há pelo menos duas formas de enxergar a conferência Rio+20, que começa em seis semanas. Uma delas é preparar-se para denunciar seu provável “fracasso”. Ao terminar o encontro, em 22 de junho, os chefes de governo não terão, tudo indica, desenhado um plano para deter o aquecimento global ou as diversas formas de devastação da natureza. Em quase todo o mundo, a política institucional está cada vez mais amarrada aos grandes negócios e capitais. Estes buscam valorizar-se ou por meio dos circuitos financeiros, ou dos velhos padrões de “desenvolvimento”. Sua lógica é o lucro máximo: não inclui buscar novas relações, sustentáveis e harmônicas, entre ser humano e natureza.

Por isso, a mera denúncia é radical apenas na aparência. Ela permite apontar culpados, mas não ajuda a deter o crime. Durante alguns dias, a grande exposição do evento na mídia garantirá algum alarido e desgaste dos governantes insensíveis. Depois a rotina das relações de produção e consumo atuais voltará a se impor.

Uma segunda atitude é menos dramática. Significa enxergar a Rio+20 não como o momento do tudo-ou-nada, em que o planeta será salvo ou perdido para sempre. Permite ter a conferência como um momento de articulação global das pessoas e movimentos dispostos a praticar novos padrões de produção e consumo – e a lutar para que eles prevaleçam.

É uma disputa cultural e política, ao mesmo tempo. Tem dimensão autônoma e imediata: pode começar já, na mudança de práticas cotidianas. Permite o contágio: as novas formas de produzir e consumir retiram a vida do automatismo cinzento a que o capitalismo normalmente a confina. São sedutoras, difundem-se com facilidade.

Para serem efetivas em larga escala, e fazerem diferença em escala planetária, precisam transformar-se em opções sociais. Substituir o carro pelo transporte público, as bicicletas ou caminhadas é importante desde já – se você está consciente. Mas para que centenas de milhões de pessoas o façam, será preciso assegurar metrôs, trens e ônibus de qualidade; reservar faixas de trânsito ciclovias nas metrópoles; tornar cada vez mais proibitivo o uso do automóvel particular, nas condições em que é desnecessário.

Os que estão dispostos a adotar esta postura diante da Rio+20 podem encontrar em Ladislau Dowbor uma grande referência. Pesquisador de atuação internacional, ele é um estudioso destacado dos processos econômicos em que a colaboração está substituindo a antiga lógica da disputa de todos contra todos. Mas não se limita à teoria: envolve-se em dezenas de projetos ligados à economia solidária, às cooperativas, aos novos arranjos produtivos.

Ladislau Dowbor acaba de publicar um artigo inspirado – “Alternativas inteligentes de uso de energia” no livro Energias Renováveis no Brasil1, do qual é um dos organizadores. O texto é uma inspiração essencial para a conferência que a ONU realizará no Rio em junho. Outras Palavras tem a satisfação de publicá-lo em duas partes:  Parte 1Parte 2

Veja também o site de Ladislau Dowbor: http://www.dowbor.org/

(*) http://www.outraspalavras.net/2012/05/05/rio20-o-bonde-da-vida-livre-esta-passando/

Nenhum comentário:

Postar um comentário