123

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

43% do Orçamento Federal foi para pagamento de juros.

A Comissão de Finanças e tributação da Câmara realizou  um seminário sobre a crise financeira internacional e os palestrantes presentes deixaram bem claro: para evitar que a crise estrangeira se repita no Brasil no futuro, é preciso auditar a dívida interna do país.

Tamanho do rombo.

De acordo com o Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi), a dívida interna brasileira gira em torno de R$ 2,3 trilhões. Em 2010, 43% do Orçamento foi dedicado exclusivamente ao pagamento de juros e amortizações do montante. “A auditoria é crucial para tirar anomalias e irregularidades da dívida. Temos de atacar as raízes do problema”, disse um dos palestrantes, o ex-ministro do Desenvolvimento Econômico do Equador Pedro Paez.

A dívida interna tem três origens:

a) Defasagem entre Pagamentos de despesas e a Arrecadação de tributos. Continuamente o governo precisa pagas suas despesas que realiza no atendimento de suas funções típicas, quais sejam, os gastos com saúde, educação, segurança, investimentos diversos em infraestrutura, etc.. Quando esses gastos são maiores que a arrecadação tributária, o que é recorrente no Brasil, cria-se um déficit operacional que, como acontece em qualquer empresa ou família, terá que ser coberto por empréstimos, os quais o governo toma junto aos bancos, já que está proibido, constitucionalmente, de emitir dinheiro para cobrir déficits fiscais, como era feito no passado.

b) Os gastos com os juros da dívida. Sendo esses muito elevados no Brasil, paga-se um montante muito alto com juros e os que não são pagos é capitalizado, aumentando ainda mais o montante da dívida.

c) A terceira causa decorre da política monetária e cambial do governo: para atrair capitais externos ou mesmo para vender os títulos da dívida pública, o governo paga altas taxas de juros, bem maior do que a paga no exterior, e com isso o giro da dívida também fica muito alto.

com dados extraídos de: http://www.jb.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário