123

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Hermínio deixa o PT e filia-se ao PSD.

"Eles venceram e o sinal está fechado pra nós" [Belchior]
É o fim do fogo amigo contra o prefeito de Porto Velho, Roberto Sobrinho (PT). O deputado estadual Hermínio Coelho se desligou do PT e se filiou ao Partido Social Democrático (PSD), que teve o seu registro aceito ontem (27), pela justiça eleitoral.

Com a sua filiação ao PSD, Hermínio deve aumentar o tom das críticas ao prefeito da capital, agora com um motivo a mais: vai poder ser candidato à sucessão de Sobrinho.

Hermínio alimentava o sonho de sair candidato a prefeito de Porto Velho, mas teve a sua pretensão frustrada pelos companheiros. Além disso, as suas pesadas críticas lhe renderam puxões de orelhas da executiva petista e o clima ficou ruim.

Além de Hermínio, o PSD ganha nas suas fileiras o deputado estadual Jacques Testoni, que deixará o PP, presidido em Rondônia por Ivo Cassol. O irmão do deputado, o prefeito de Ouro Preto, Alex Testoni, vai sair do PTN e ingressar no PSD.

Na Assembleia, especula-se que o petista Ribamar Araújo pule fora da companheirada e junte aos novos “sociais democratas”, que nacionalmente é presidido pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.


Opinião.

A saída do sindicalista Hermínio Coelho do Partido dos Trabalhadores e seu ingresso no PSD, onde se perfilará ao lado do fazendeiro direitista Moreira Mendes, tem sua lógica já percebida pela imprensa local: "obter uma legenda para disputar a sucessão na prefeitura de Porto Velho". Dentro do Partido dos Trabalhadores, o deputado Hermínio provavelmente não teria este espaço.
No lugar de lutar por construir esse espaço político juntamente com todas os setores que resistem à hegemonia do grupo hoje dominante, o deputado prefere a solução mais curta para as suas pretenções eleitorais: sair.  Muitos grupos já saíram do PT; uns com posições oportunistas de direita e outros com vertente ultra esquerdista. Em comum: críticas, denúncias, alegada desilusão, etc, e tal. Como os companheiros do PSOL e do PSTU, hermínio agora fará cruzada contra o partido que ajudou a construir. A intenção de quem saí, tanto pelo lado direito como pelo ultra esquerdo, é o de liquidar o PT.
Nós da Articulação de Esquerda, que não somos movidos por interesses eleitorais imediatos e nem por cargos comissionados como valor em sí, temos como princípio de atuação continuar dentro do PT lutando por um partido de fato socialista, de massas e revolucionário; apesar das perseguições e intimidações impostas pelo grupo majoritário interno e suas práticas coronelistas.
Entretanto, aproveitamos este fato para denunciar a estratégia defendida por alguns setores da direção partidária que advogam abrir (ou alugar?) o partido para algumas manjadas "lideranças" como forma do partido aumentar sua bancada nas câmaras de vereadores. Chamamos isso de "aumentar pra perder". Se Hermínio que nasceu politicamente no movimento sindical, hoje abandona o PT, não sem antes tê-lo apunhalado; imagine o compromisso dessas "lideranças". Temos é que qualificar a atuação do partido e insistir na estratégia de colocar no parlamento os companheiros já provados na luta. Fora com os oportunistas, os vendidos e os traidores. Por que criar cobra? Os inimigos dos trabalhadores são de graça e sem esforço, inimigos do PT. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário