123

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Disputa ideológica da juventude e do eleitorado.

Muitas atitudes que diversas personalidades tem tomado recentemente no espaço político de Rondônia tem como pano de fundo a intenção de ocupar a mídia na tentativa de alavançar seu nomes como possibilidade para a campanha de prefeito no ano que vem. Neste sentido Valter Araújo está na dianteira: foi a primeira autoridade que se levantou contra a utilização da polícia militar para reprimir trabalhadores das hidrelétricas como se estes fossem bandidos. Já na questão da revisão do código florestal foi o Rubens Moreira Mendes, que tomou a bandeira do Anselmo de Jesus junto a mídia. Na outra questão do aumento abusivo das passagens de ônibus na capital foi o deputado Hermínio quem capitalizou o sentimento de repúdio popular.

Vincular seus nomes com o sentimento de indignação popular é uma boa estratégia, que pode elevar ou derrubar. Tem muita gente esquecendo do seu próprio passado e que agora tenta dar uma de defensor do povo. Hipocrisia e mentira, mais dia, menos dia, acaba sendo um tiro no pé. Visto por este crivo, a manifestação do companheiro Hermínio é mais verdadeira, porém isolada. Falta-lhe um plano de divulgação e preenchimento do espaço midiático.

Com excessão do Hermínio, o que assusta neste momento histórico é o silêncio daqueles que sempre estiveram do lado do povo e agora se calam. Pode até ser que seja falta de espaço na imprensa para se posicionarem. A divulgação da imprensa profissional, paga, não abre espaço para os interesses populares e sim para a pauta de quem lhe distribui mimos. Talvez por isso Valter Araújo e Moreira Mendes aparecem mais nos portais e demais mídias. De nosso lado, concorrer com as mesmas arma$ não tem sentido para quem traz as marcas das lutas do PT. Pagar para aparecer jamais. Talvez por isso a mídia profissional, em geral, não gosta de petista.

Resta aos companheiros parlamentares do PT trabalhar com a divulgação gratuíta e militante nas redes sociais: twitter; facebook; youtube; orkut; que pasa; ...etc. Tenho acompanhado algumas e vejo que apenas o vereador Cid Orleans, de Porto Velho; e Adao Marcos, de Santa Luzia; tem trabalhado metodicamente estas redes. Claro que não é conclusivo esta estimativa, pois ainda não sigo todos os companeiros, é apenas para citar um exemplo  a ser seguido por nossos companheiros parlamentares.

Também nós os filiados e militantes que acompanham estas redes não temos contestado as demagogias dos outros políticos da direita. Também no espaço cibernético, é necessário o debate de idéias, a contraposição de opiniões, a denúncia da demagogia de ocasião. Não podemos deixar que Moreira Mendes, Valter Araújo, Dalton de Franco (quem vem pondo as manguinhas de fora, como quem não quer nada) e outros da mesma matiz ideológica, plantem suas posições oportunistas na cabeça de nossa juventude.

Agimos como se todo jovem conhecesse as posições do Partido dos Trabalhadores. Esquecemos que estamos a oito anos no poder e para os jovens entre 14 e 22 anos, o PT não é um partido de oposição e sim da situação. Psicologicamente a adolescencia e a juventude é um período de contestação e rebeldia e por isso a direita está se instalando em suas cabeças. O PT do parlamento e dos palácios executivos não consegue dialogar com esta moçada mas esqinas da vida. Já não temos os núcleos de base nos bairros e nossa presença nos movimentos sociais organizados tem diminuído, em número e em qualidade. 

Precisamos realizar pelo menos a disputa ideológica nas redes sociais. O Diretório Estadual do PT precisa capacitar os militantes para essa intervenção. Precisamos reeditar em nível estadual a Caravana Digital que fizemos durante a campanha da Dilma. É uma tarefa para a Secretaria de Formação. Precisamos sentar com o companheiro Jerry, secretário de formação no DE, e discutir essa idéia.

Um comentário:

  1. Podemos fazer um trabalho para os demais Vereadores ,possa também usar esses recursos.

    ResponderExcluir