123

sábado, 30 de abril de 2011

Eles ainda não entenderam a Crise Global.

por Chico Barreiras
Celso Ming, Mírian Leitão e Carlos Aberto Sardenberg, depois de três anos, ainda não entenderam a Grande Crise Americana  (que é Global), mas  não perderam a pose e continuam enrolando seus leitores.

Os países do antigamente chamado Primeiro Mundo quebram em setembro de 2008 (a Grande Crise Americana) e não conseguiram se rereguer até agora. Na verdade, jamais voltarão ao fausto de seu apogeo. O curioso é que, endividados  até o cavanhaque, eles não fazem a lição de casa. Ou seja, não fazem o que  até recentemente mandavam os países do então chamado Terceiro Mundo fazerem.

continuar lendo 

Inauguração do Núcleo do PT na Zona Sul de Porto Velho.

Convidamos todas e todos, camaradas, companheiros e companheiras filiados e simpatizantes para participar de uma reunião de lançamento do NÚCLEO DO PT na Zona Sul de Porto Velho.

Será realizado dia 30/04/2011 a partir das 18h30min, na Rua Miguel Calmon nº 3434 (antigo Big Club) Bairro Caladinho. ATRÁS DO MERCADINHO SÃO FRANCISCO.

Rui Falcão é eleito por unanimidade para presidir Partido dos Trabalhadores

Rui Falcão.

O novo presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, deputado Rui Falcão (PT/SP), escolhido por unanimidade pelos membros do Diretório Nacional do partido no começo da tarde desta sexta-feira (29). Rui Falcão assume a presidência depois de José Eduardo Dutra anunciar a saída do cargo por problemas de saúde.
De acordo com o novo presidente do PT, a primeira tarefa é dar suporte ao Governo Federal. “Uma das nossas tarefas principais pelo próximo período é dar sustentação ao processo de mudanças que o presidente Lula começou e que a presidente Dilma Rousseff está mantendo. Outro ponto é o fortalecimento do partido com a classe trabalhadora, além de disputar com as velhas ideias, as ideias conservadores e neoliberais que têm sido derrotadas nas últimas eleições, mas que querem guiar o nosso governo” explicou o novo presidente.
Rui Falcão explicou, também, que a nova presidência do partido será desempenhada de forma coletiva com o conjunto das bancadas de parlamentares do PT, militância e lideranças. “O PT se formou através da liderança coletiva e, por isso, a presidência do partido tem que expressar esse sentimento. É desta maneira que alcançaremos um avanço partidário” afirmou.
Rui Falcão vai liderar o Partido dos Trabalhadores até 2013, quando deve ser realizado um novo processo de eleições internas do partido para escolha da nova direção nacional.
 (Janary Damacena – Portal PT)

quinta-feira, 28 de abril de 2011

PT EM SINTONIA - 29.04.2011 - Sexta - às 18 horas.

Companheiras e Companheiros do  DM-Porto Velho

Este ano de 2011 o Partido dos Trabalhadores completa, com o companheiro Roberto Sobrinho e diversos filiados, seis anos a frente da Prefeitura Municipal de Porto Velho. São diversas mudanças ocorridas nesse período no município que precisam ser apropriadas pela militância.

Desde o primeiro mandato do Prefeito Roberto Sobrinho o Diretório Municipal tem realizado plenárias de prestação de contas conhecidas como PT EM SINTONIA e neste ano não poderia ser diferente.

As atividades do PT EM SINTONIA estão de volta. 

Nesta sexta-feira (29.04) às 18 horas na Sede do PT teremos a primeira plenária de prestação de conta da Prefeitura Municipal com o Prefeito Roberto Sobrinho.

A Direção Municipal de Porto Velho convida toda militância petista para participar deste grande debate que com certeza irá fortalecer e unir ainda mais o PT.

Participe. Divulgue.

Tácito Pereira
Presidente DM - Porto Velho

terça-feira, 26 de abril de 2011

Não à luta fratricida no interior do PT. Não ao stalinismo.

Deixem Stálin morto.
Interesses relacionados a disputa eleitoral no ano que vem podem gerar guerras fratricidas no seio do partido em nosso Estado. É preciso que o diretório estadual esteja atento ao aparecimento dessas fissuras. Onde já se instalaram, é preciso que o corpo dirigente estadual não se omita em intervir pelo bem do PT. Não pode ficar assistindo a luta no estilo vale tudo entre companheiros, pois dessas disputas o maior perdedor será a unidade partidária. 
Há em certos municípios,  vereadores se sentindo ofuscado pelo trabalho de outros companheiros que estão atuando junto ao executivo municipal e/ou federal. Querem, a qualquer custo, denegrir o trabalho desses companheiros junto às instâncias partidárias superiores. O espírito persecutório de Stálin se apoderou desses mediocres ocupantes de cargos parlamentares. Sem brilho próprio estão incomodados com o sucesso de outros que não se amesquinharam nos gabinetes refrigerados. 
Se o Diretório Estadual se omitir em dar um basta nessas lutas, muitas delas chegarão às esferas judiciais. Uma forma inteligente de matar na origem estas disputas antecipadas é garantir espaço à todas as partes em contenda para colocarem suas candidaturas no ano que vem e o soberano eleitor dirá quem teve razão, quem melhor fez aquilo o PT tem prometido desde que foi fundado. 

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Enquanto PT fala em alianças amplas, PMDB orienta por candidaturas próprias nas eleiçoes municipais de 2012.

Andréia Sadi e Nara Alves, do iG 
Na direção contrária do que prega o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o PT, o PMDB, liderado pelo vice-presidente Michel Temer, lançou uma ofensiva nesta semana recomendando a todos os diretórios municipais que patrocinem candidatura própria do partido na eleição de 2012. Em carta redigida pelo PMDB nacional, o partido orienta os dirigentes a privilegiarem nomes próprios para a disputa em vez de procurar "alianças amplas" com outros partidos, como defende o ex-presidente. A decisão sobre o conteúdo da carta foi tomada em reunião da Executiva do partido há 15 dias.

"A recomendação é essa: candidaturas em todas as cidades. Sempre que possível, (os diretórios devem) lançar candidaturas próprias, mas claro que há cenários onde esta vontade não será possível e não teremos como fugir de alianças”, disse ao iG o presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO).

De olho na “demarcação de territórios”, como define outro líder do partido, o PMDB já quer se organizar para as eleições com base em diagnósticos nas 100 principais cidades do País. “Vamos discutir os nomes, candidatos, e cenários locais no próximo dia 5, durante seminário”, disse Raupp.

O deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) afirmou ser um entusiasta da orientação e defendeu alianças com partidos da base aliada apenas em um segundo momento. “Vamos mostrar a nossa cara nas capitais e priorizar as alianças apenas no segundo turno”, disse.

Estratégias

O PMDB está organizando uma palestra para 200 pessoas no dia 5 de maio, em Brasília. A pauta do evento é a estratégia do partido para 2012. O PMDB convidou três palestrantes internacionais para comandar o evento. Um espanhol e dois americanos, que prestaram consultoria à campanha do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Ontem, o PT se reuniu em São Paulo sob comando de Lula para definir a estratégia de 2012. No encontro, foram discutidos temas como o surgimento de setores emergentes na periferia da capital paulista e a necessidade de uma estratégia para abordar este eleitorado. Ainda segundo o dirigente, Lula enfatizou a importância da política de alianças e citou como exemplo sua parceria nas urnas com o ex-vice-presidente José Alencar, morto no final de março.

domingo, 24 de abril de 2011

Nova edição do Página13.

"O governo Dilma será tanto melhor, quanto mais combativa for a classe trabalhadora", essa é a matéria de capa do jornal em alusão ao 1º de maio, traz ainda artigo de Wladimir Pomar sobre "A direita e nós", de Pedro Kemp com o título "Sai ou vai parar no Judiciário?" sobre a reforma política, "Dia internacional de luta" é a matéria de Expedito Solaney sobre o 1° de maio, Luiz de Carvalho escreve sobre "A luta em Jirau", entrevistas com o presidente da CUT de Sergipe e com a ministra Iriny Lopes sobre os 100 primeiros dias de minsitério, a luta dos jornalistas é tema de Elida Miranda, o jornal reproduz a Carta Aberta que a Coordenação dos Movimentos Sociais no Distrito Federal dirigiu ao Governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, artigo em forma de Carta aberta ao deputado Jair Bolsonaro escrito por Rodrigo César, artigo sobre a crise na Líbia por Max Altman e Valmir Assunção escrevendo sobre a luta pela reforma agrária.

Click na imagem para baixar a versão pdf.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Conversa entre Jean de Léry e um velho índio Tupinambá no século XVI

Só rindo da loucura dos "civilizados".
Os nossos tupinambás muito se admiram dos franceses e outros estrangeiros se darem ao trabalho de ir buscar o seu arabutan (madeira pau-brasil). Uma vez um velho perguntou-me:

- Por que vindes vós outros, maírs e perôs (franceses e portugueses), buscar lenha de tão longe para vos aquecer ? Não tendes madeira em vossa terra ?

Respondi que tínhamos muita, mas não daquela qualidade, e que não a queimávamos, como ele supunha, mas dela extraímos tinta para tingir, tal qual o faziam eles com os seus cordões de algodão e suas plumas. Retrucou o velho imediatamente:

- E porventura precisais de muito ?
- Sim, respondi-lhe, pois no nosso país existem negociantes que possuem mais panos, facas, tesouras, espelhos e outras mercadorias do que podeis imaginar e um só deles compra todo o pau-brasil com que muitos navios voltam carregados.

- Ah! retrucou o selvagem, tu me contas maravilhas; acrescentando depois de bem compreender o que eu lhe dissera: Mas esse homem tão rico de que me falas não morre?
- Sim, disse eu, morre como os outros.

Mas os selvagens são grandes discursadores e costumam ir em qualquer assunto até o fim, por isso perguntou-me de novo:

- E quando morrem para quem fica o que deixam ?
- Para seus filhos, se os têm, respondi; na falta destes, para os irmãos ou parentes próximos.

- Na verdade, continuou o velho, que como vereis, não era nenhum tolo, agora vejo que vós outros maírs sois grandes loucos, pois atravessais o mar e sofreis grandes incômodos, como dizeis quando aqui chegais, e trabalhais tanto para amontoar riquezas para vossos filhos ou para aqueles que vos sobrevivem ! Não será a terra que vos nutriu suficiente para alimentá-los também ? Temos pais, mães e filhos a quem amamos; mas estamos certos de que depois de nossa morte a terra que nos nutriu também os nutrirá, por isso descansamos sem maiores cuidados.

(publicado no livro "Viagem à terra do Brasil" de Jean de Léry)

19 de abril o dia do índio. Nada a comemorar.
por Jorge Werley.

Muito me honra saber que tenho sangue da brava etnia Mura a me correr nas veias. E qual caboclo não tem? Fico impressionado quando vejo rondonienses que se sentem ofendidos quando ouvem algum famoso falar que aqui só tem índio. Se ofendem não porque os indios são minoria depois do genocídio perpetrado e sim porque os consideram inferiores e não querem ser contados como. Nessas horas minha alma cabocla chora. 

PT realiza reuniões para debater organização partidária.

O Partido dos Trabalhadores de Rondônia vem realizando diversas reuniões no interior do estado. O principal objetivo é debater a organização partidária e as eleições de 2012.

Dentro dos temas estão a Regularização e recomposição dos Diretórios e Comissões Provisórias, Abertura do PT (campanha de filiação), Superação de questões internas, Setoriais e sua necessidade de fortalecimento do PT, Reforma Eleitoral e suas possíveis implicações nas eleições de 2012, Avaliação profunda da conjuntura dos municípios, Nominata de pré-candidatos a vereadores, Discutir alianças e debater o Calendário de previas para escolha de candidatos majoritários.

Click aqui e veja a programação no site do Diretorio Estadual.

sábado, 16 de abril de 2011

Severine: A juventude que vem dos movimentos sociais

A escolha de Severine Macedo para a Secretária Nacional de Juventude do Governo Federal representa uma vitória dos setores da juventude brasileira.

A origem política da nova secretária nacional de juventude do governo federal chama a atenção. Ela não vem dos tradicionais quadros do movimento estudantil. E sim de um setor que ganhou importância estratégica nos últimos 8 anos, a agricultura familiar.

Afinada com o legado das lições de Lula, para quem não podemos esquecer nossa origem, Severine fala com orgulho do movimento político que a lançou na política. "Esse sempre foi um segmento invisível na sociedade, a juventude rural. Os jovens do campo querem trabalho e política agrícola, mas também querem lazer, esporte, inclusão digital", diz a nova dirigente do governo federal.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Para que faremos um Congresso da AE

A Articulação de Esquerda surgiu em 1993. Nosso objetivo fundamental, desde o princípio e até hoje, consiste em defender o programa e a estratégia democrático-popular & socialista, bem como o caráter de classe, de massas, de luta e internamente democrático do Partido.

Nos últimos 18 anos, lutamos contra os setores social-democratas e social-liberais do Partido; contra os defensores da estratégia eleitoral e das alianças de centro-esquerda; contra os defensores de um partido sem caráter de classe, afastado das lutas sociais e com baixos teores de democracia interna.

Ao longo destes 18 anos, também combatemos aqueles setores que se afastaram do PT, pela direita ou pela esquerda. Especialmente em dois momentos (1993-1995 e 2005-2007), jogamos um papel decisivo para a sobrevivência do PT; no primeiro caso em defesa do PT enquanto alternativa de esquerda; no segundo caso, em defesa da sobrevivência do Partido enquanto tal, frente aos ataques da direita. Apesar de termos jogado um papel decisivo naqueles e noutros momentos, observando de conjunto podemos dizer que, em parte devido a circunstâncias histórias para além do nosso controle, em parte por erros nossos, não fomos capazes de alterar a inflexão moderada seguida pelo PT desde o início dos anos 1990.

Hoje, neste ano de 2011, ao mesmo tempo em que reafirmamos nossa opção de prosseguir construindo o Partido dos Trabalhadores, sabemos estar diante de dois desafios imediatos:
a) o de atualizar nossa linha política, para que sejamos capazes de atingir os mesmos objetivos originais, agora noutras condições históricas;
b) o de modificar nosso funcionamento interno, para que possamos crescer sem que sejamos subjugados pelos hábitos e costumes que destruiram ou deformaram totalmente outras tendências do PT.

Para que a Articulação de Esquerda seja capaz de enfrentar exitosamente estes dois desafios, é preciso colocar a política no comando. Ou seja: em alguns casos formular, noutros casos atualizar formulações, em ambos os casos ganhar apoios para nossas opiniões, através do debate e da ação prática.

As resoluções de nossa X Conferência Nacional devem ser o ponto de partida para o debate que faremos, no 1º Congresso, acerca do programa para o Brasil; acerca da estratégia de construção e conquista do poder; acerca do papel das diferentes formas de luta e dos diferentes instrumentos organizativos das classes trabalhadoras.

Nos cabe formular, ainda, uma análise crítica atualizada da estratégia & programa propostos pelas demais forças da esquerda brasileira (desde PDT e PSB, passando pelo PCdoB, incluindo Consulta Popular, PSOL e PSTU).

terça-feira, 12 de abril de 2011

Romper com a domação e o amansamento do PT.

Em meio a tanta corrupção, o povo parece estar desacreditado de que uma mudança positiva possa vir desse sistema em decadência. Esta realidade é frequentemente considerada como um dos grandes motivos do afastamento do jovem das causas políticas. Isso explica a apatia face a atividade política institucional monopolizada pelos partidos políticos e protagonizada nos parlamentos.

Entretanto, não podemos deixar de perceber que muitos jovens estão afastados somente da política, e não necessariamente das causas sociais, reforçando a idéia de que o problema está no sistema e não exatamente no jovem. E não poderia ser diferente diante do noticiário televisivo que leva aos jovens a impressão de que o parlamento não é lugar de gente decente e que ali só tem bandido. A mídia burguesa é desmobilizadora e preservadora de preconceitos.

Existe também um grande contingente de jovens que não participa nem da política instituicional e nem dos movimentos sociais. Estes não encontram parceiros no mundo e sim rivais. Esses lutadores isolados tem medo de não ter como se sustentar, de não ter emprego, de que seus estudos não sejam o suficiente para lhe garantir uma vida tranqüila e independente de seus pais. Esse medo inibe estes jovens de pensar em causas alheias, porque seu tempo e esforço têm de ser dedicado a si mesmo, seu futuro está em constante perigo de ser um fracasso. O mundo é um ambiente onde apenas os mais aptos sobrevivem, então vale tudo. Que almas brutalizadas pelo capitalismo têm, coitados.

Por outro lado, o esvaziamento da juventude nas hostes petistas se deve a que o PT tem a cada dia se restringido aos parlamentos e palácios. O PT realiza apenas aquela política profissional regulada pelo TSE. Exatamente a parte da política que a mídia se esforça por denegrir. Exatamente aquela política que tem regras tão cristalizadas, como o mensalão e o financiamento espúrio das campanhas, que dá mais nojo do que apetite, do que paixão.

A democracia burguesa amansada no parlamento não tem apelo aos anseios de transformação que move a juventude. O PT dos palácios executivos tem feito mais do mesmo. A regra do jogo, chamado de direito administrativo, não permite inovações. Ou seja fazem exatamente aquilo que os outros fizeram, somente que agora usam  um blazer, um taleur, ou apenas um broche vermelho na lapela, que o diga Tony Palocci, o tucano travestido.

Sem demora, o PT precisa romper com essa domação, com esse adestramento, e voltar para a política dos movimentos sociais, das causas "perdidas" e da utopia. O PT precisa ser maior que o governo. Esse é apenas uma parte, importante, da luta; mas não é tudo. Apesar de que, nas ruas, as lutas não pagam diárias e nem tem holerite, tampouco camioneta com ar refrigerado à disposição.

Campanha contra violência e extermínio de jovens é lançada em Rondônia.


Uma campanha nacional contra a violência e extermínio de jovens foi lançada na Diocese de  Ji-Paraná. O deputado Padre Ton (PT) participou do evento, promovido em todo o Brasil pela Igreja Católica.


O principal objetivo foi dar oportunidade para os representantes das pastorais da juventude elaborar estratégias e propostas para combater a violência contra a juventude. O tema do evento faz parte de uma campanha nacional criada em 2008 numa assembleia das pastorais da juventude para denunciar situações que geram violência e morte no Brasil.

Padre Ton destacou a força do jovem na luta pelos seus direitos. Ele acredita também que as políticas públicas para a juventude têm que ser melhor implementadas em todo o país, para que a voz dos jovens seja ouvida pelas autoridades nacionais, quando esta classe da sociedade reivindicar seus direitos.

"Eu quero ser provocado pela juventude de Rondônia. Estou aqui como parlamentar federal, como padre e como ser humano para ouvir as reivindicações dos nossos jovens. Só poderei elaborar propostas para atender a nossa juventude se os nossos próprios jovens se organizarem e cobrarem, de forma clara e objetiva, suas reivindicações", disse Padre Ton.

O parlamentar disse que numerosos são os brasileiros que defendem a queda da maioridade penal, mas como padre ele questiona até que ponto a mudança vai verdadeiramente contribuir para a solução dos problemas enfrentados no meio juvenil.

"De repente a melhora no meio político, através de uma reciclagem consciente, promovida pela própria juventude, para a melhor escolha dos representantes políticos do nosso país, seja uma alternativa interessante para que possamos buscar uma defesa mais ampla dos direitos dos nossos jovens, e não a aprovação ou reprovação simplificada de uma lei que determina a idade criminal da nossa juventude", concluiu Padre Ton.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

PT "protegido"

Por: Bernardo Ciro Lopes
Companheir@s, temos muito para avaliar em cada município de Rondônia, principalmente se tratando da abertura do Partido para novas filiações, é um Deus nos acuda defender novas filiações, muita gente reservando espaço, protegendo suas vagas e/ou dos “mais companheiros ainda”, e reclamam que ta difícil montar nominata, principalmente se for aprovado o fim da coligação proporcional como esta previsto.

É uma contradição sem igual, falta gente e não querem filiar mais gente, que é isso minha gente!? Tirem o PT das amarras do protecionismo e da patrulha ideológica...

Novo código florestal desmoraliza multas já aplicadas pelo IBAMA.

Fiscais do IBAMA em serviço.
Segundo relatório do IBAMA obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo, menos de 1% do valor das multas aplicadas por infrações ambientais chegam efetivamente aos cofres públicos. O documento publicado traz um panorama das autuações feitas entre 2005 e 2010. O porcentual médio de multas pagas no período foi de 0,75%. No ano passado, o índice foi ainda menor - apenas 0,2%.

Significa dizer que os cofres públicos tem 99% de multas aplicadas que precisam ser cobradas e executadas. Por isso tem tanta gente interessada em modificar o Código Florestal e de quebra anistiar as multas já aplicadas.

Não discordamos que tem certos aspectos que precisam ser ajustados no Código Florestal, porém perdoar, anistiar, suspender, prorrogar, ou qualquer outro termo que se use para calote nas multas; o povo brasileiro não pode admitir. Capitalista não tem consciencia ambiental, e isso não lhes dói. O que dói e o faz pensar é um desencaixe de dinheiro. A quem interessa desmoralizar o IBAMA??

domingo, 10 de abril de 2011

Bancada do PT apresentará texto alternativo ao novo Código Florestal

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Teixeira (SP), anunciou que nesta semana a bancada do partido apresentará um texto alternativo ao substitutivo do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) que altera o Código Florestal. Ele explicou que será uma proposta que unifica as alterações defendidas pelo partido. Entre as mudanças que a bancada do PT não abre mão estão a manutenção da reserva legal, a preservação das nascentes e a defesa dos interesses dos pequenos agricultores. 

Para o líder do PT o relatório de Aldo Rebelo ainda não está maduro para ser votado. Nós, do PT, achamos que deve haver mudanças no atual Código, desde que sejam de forma equilibrada, sem radicalismo. Nós precisamos ter mais tempo para discutir as mudanças. Temos que adequar o relatório aos interesses do país”, afirmou. Ele afirmou ainda que a bancada aguardará uma posição do governo federal antes de votar o Código Florestal em plenário. 

Os deputados Assis do Couto (PT-PR), Fernando Marroni (PT-RS), Luci Choinacki (PT-SC), Márcio Macedo (PT-SE) e Padre Ton (PT-RO) foram encarregados de trabalhar na elaboração do anteprojeto, que será apresentado e debatido pelo conjunto da bancada do PT antes do anúncio da posição oficial. 

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Disputa ideológica da juventude e do eleitorado.

Muitas atitudes que diversas personalidades tem tomado recentemente no espaço político de Rondônia tem como pano de fundo a intenção de ocupar a mídia na tentativa de alavançar seu nomes como possibilidade para a campanha de prefeito no ano que vem. Neste sentido Valter Araújo está na dianteira: foi a primeira autoridade que se levantou contra a utilização da polícia militar para reprimir trabalhadores das hidrelétricas como se estes fossem bandidos. Já na questão da revisão do código florestal foi o Rubens Moreira Mendes, que tomou a bandeira do Anselmo de Jesus junto a mídia. Na outra questão do aumento abusivo das passagens de ônibus na capital foi o deputado Hermínio quem capitalizou o sentimento de repúdio popular.

Vincular seus nomes com o sentimento de indignação popular é uma boa estratégia, que pode elevar ou derrubar. Tem muita gente esquecendo do seu próprio passado e que agora tenta dar uma de defensor do povo. Hipocrisia e mentira, mais dia, menos dia, acaba sendo um tiro no pé. Visto por este crivo, a manifestação do companheiro Hermínio é mais verdadeira, porém isolada. Falta-lhe um plano de divulgação e preenchimento do espaço midiático.

Com excessão do Hermínio, o que assusta neste momento histórico é o silêncio daqueles que sempre estiveram do lado do povo e agora se calam. Pode até ser que seja falta de espaço na imprensa para se posicionarem. A divulgação da imprensa profissional, paga, não abre espaço para os interesses populares e sim para a pauta de quem lhe distribui mimos. Talvez por isso Valter Araújo e Moreira Mendes aparecem mais nos portais e demais mídias. De nosso lado, concorrer com as mesmas arma$ não tem sentido para quem traz as marcas das lutas do PT. Pagar para aparecer jamais. Talvez por isso a mídia profissional, em geral, não gosta de petista.

Resta aos companheiros parlamentares do PT trabalhar com a divulgação gratuíta e militante nas redes sociais: twitter; facebook; youtube; orkut; que pasa; ...etc. Tenho acompanhado algumas e vejo que apenas o vereador Cid Orleans, de Porto Velho; e Adao Marcos, de Santa Luzia; tem trabalhado metodicamente estas redes. Claro que não é conclusivo esta estimativa, pois ainda não sigo todos os companeiros, é apenas para citar um exemplo  a ser seguido por nossos companheiros parlamentares.

Também nós os filiados e militantes que acompanham estas redes não temos contestado as demagogias dos outros políticos da direita. Também no espaço cibernético, é necessário o debate de idéias, a contraposição de opiniões, a denúncia da demagogia de ocasião. Não podemos deixar que Moreira Mendes, Valter Araújo, Dalton de Franco (quem vem pondo as manguinhas de fora, como quem não quer nada) e outros da mesma matiz ideológica, plantem suas posições oportunistas na cabeça de nossa juventude.

Agimos como se todo jovem conhecesse as posições do Partido dos Trabalhadores. Esquecemos que estamos a oito anos no poder e para os jovens entre 14 e 22 anos, o PT não é um partido de oposição e sim da situação. Psicologicamente a adolescencia e a juventude é um período de contestação e rebeldia e por isso a direita está se instalando em suas cabeças. O PT do parlamento e dos palácios executivos não consegue dialogar com esta moçada mas esqinas da vida. Já não temos os núcleos de base nos bairros e nossa presença nos movimentos sociais organizados tem diminuído, em número e em qualidade. 

Precisamos realizar pelo menos a disputa ideológica nas redes sociais. O Diretório Estadual do PT precisa capacitar os militantes para essa intervenção. Precisamos reeditar em nível estadual a Caravana Digital que fizemos durante a campanha da Dilma. É uma tarefa para a Secretaria de Formação. Precisamos sentar com o companheiro Jerry, secretário de formação no DE, e discutir essa idéia.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Fortalecimento das instâncias partidárias.

O terceiro debate temático da Comissão de Reforma do Estatuto do PT discutiu o fortalecimento da capacidade dirigente das instâncias partidárias, letra F da resolução do 4º Congresso. Para facilitar o acesso pela internet, a TVPT do Yuotube dividiu em três arquivos. Colocamos bem aqui na barra lateral esquerda deste blog o acesso a estes arquivos [ tem que rolar a tela mais para baixo].

No primeiro, vc vê o informe de Vilson de Oliveira e as intervenções de Valter Pomar e Elói Pietá.

No segundo arquivo, vc vê as intervenções de Laisy Moriére, Ricardo Berzoíni e Carlos Árabe.

No último arquivo, vc vê as intervenções de Jorge Coelho, Sonia Braga, Gleber Naime, Alberto Cantalice e Vilson de Oliveira.

terça-feira, 5 de abril de 2011

PT Rondônia renovado

Bernardo Ciro Lopes
O Partido dos Trabalhadores se recompôs no dia 02 de abril de 2011, uma data singular, segundo as mentiras contadas em versos e prosas nas aulas de moral e cívica de antigamente, dia 02/04/1964 foi o fatídico dia da “revolução” (Golpe de Militares no Estado Democrático). Esta recomposição será referendada pelo Diretório Estadual no dia 07 de Maio, o novo PT conta com seis educadores na Executiva Estadual, é uma força hegemônica na primeira instância estadual, se todos forem fiéis a Paulo Freire temos muito a aprender e crescer com estes companheiros e companheiras. Agora, se; esta hegemonia pender para o lado do modelo depositário vamos ter grandes confrontos entre categorias e idéias.

Vou lembrar uma situação parecida que ocorreu em Alta Floresta, onde até 2008 a direção hegemonicamente foi ligada a educação, foi o pior período para o PT local, serviu como aprendizado, não se repetirá.

Eu e a grande maioria de filiados e militantes estamos com muita esperança nesta companheirada, são os melhores quadros, foram forjados na luta sindical, no confronto diário do mundo do educando e educador que na maioria das vezes é apenas pelo amor ao ensino e ao aprendizado. Lembro ainda, são todos e todas jovens que tem muito a se doar para as grandes causas que o PT defende e luta todos os dias. É importante a projeção destes em todos os recantos de Rondônia, onde houver um filiado, um movimento social, uma causa que esteja na lista programática do PT, onde houver um desvio ético lá devem estar mediando, afagando, construindo, cumprindo tarefas e determinações, normas, resoluções e atos disciplinares, enfim, construindo estradas e pontes para levar o PT a um lugar merecido que é fortalecer a confiança do povo de Rondônia e consequentemente garantir o seu voto.

Temos muito que andar por aí
Temos muito a fazer por aí
Temos muito para somar e dividir
Temos a Paz e um sorriso franco para unir a nossa gente.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

As contradições de um partido de classe.

Qual o caminho a seguir ?
 Ao contrário das previsões de Marx a classe operária não se tornou a maioria na sociedade industrial. Tanto é assim que Lenin vem propor uma aliança de classe com os camponeses. Mesmos assim, ainda que somados, estes estratos sociais não tem identidade ideológicas enquanto igualmente explorados pelas classes dominantes, a burguesia.

Se não tem maioria, como os partidos que se dizem socialistas podem chegar ao poder pela via eleitoral?

Segundo Adam Przeworski, por se apresentarem como representantes da classe operária  os partidos socialistas estariam sempre condenados à derrota eleitoral para cargos do poder executivo.

Como o principal objetivo de qualquer partido é obter o poder, os partidos socialistas necessariamente teriam que incluir nos seu discurso os interesses de classes mais abastardas, mais propensas a identificação com os interesses burqueses. Assim tem que  optar por estratégias mais condizentes com seu objetivo e ser mais pragmática, ou seja, teriam que abrir seu discurso para outras classes.

Assim fazendo, ainda segundo Przeworski, nasceria o dilema. Os partidos socialistas teriam que escolher entre: a) tornarem-se partidos homogêneos, voltados somente para os interesses do operariado, porém condenado à derrota eleitoral,ou  b) voltarem-se para outras classes, porém correndo o risco de se afastar dos interesses e o apoio do operariado. (PRZEWORSKI, Capitalismo e Social Democracia).

Se o PT não tivesse aberto seu discurso para incluir outras pautas de reinvidicações, não necessariamente dos trabalhadores, teria chegado ao poder executivo? Chegou, e agora? Como viabilizar as transformações propostas aos trabalhadores quando o partido nasceu?

Criticar a trajetória do PT, sair e fundar outro partido, sem reconhecer o dilema de Przworski, e depois fazer o mesmo: é burrice, hipocrisia, ou oportunismo porque ficamos de fora dos cargos?

Ficar de fora da disputa eleitoral, denunciando seu limite enquanto luta pela instauração do socialismo, isolado do entendimento do povo; é ser radial ou porra-louca??

Ficar dentro do PT e resistir ao amansamento pelos oportunistas, sendo escanteado pela máquina dirigente, corneado pelos companheiros, não e fácil. Tem hora que dá vontade de vomitar e chutar tudo.

Revendo as lições da revolução pacífica do Chile, de Allende, compreendemos que a via pacífica chega numa hora que terá que endurecer. No momento em que o povo organizado estiver junto, então teremos de dar um salto dialético. Numa linguagem cristã, significa que até chegar a hora da colheita teremos que conviver, joio e trigo lado a lado.

Juntas, as correntes de esquerda do PT somam apenas 10%, os sociais-democratas reformistas, 80%; os oportunistas ocupam os demais 10%. É uma luta desigual e será sempre assim se os reformistas estiverem certos. Não cremos que o capitalismo seja reformável e humanizável ad infinito. A contradição cresce a cada dia. O modelo, qualquer que seja, tem seu limite de crescimento. Só o socialismo pode resolver as contradições inerentes ao modelo. Aí teremos de assumir as rédeas. A revolução é obra de milhões de pessoas e não ocorrerá nos blogs e sim nas ruas onde o povo real está. A cada dia damos passos nesta direção. A terra se move, apesar de não sentirmos.

O doutor Lula e o engenheiro Aleluia

por  Mauro Santayana 

Estudantes estendem suas capa para Lula em Coimbra.
O engenheiro baiano José Carlos Aleluia enviou carta ao Reitor da Universidade de Coimbra, protestando contra a concessão do título de Doutor Honoris-Causa ao operário Luis Inácio da Silva, que, com o apelido afetivo de Lula, presidiu ao Brasil durante oito anos. Sem mandato, Aleluia mantém contatos com seus eleitores, mediante um site na Internet.

Aleluia foi um oposicionista inquieto, ocupando, sempre que podia, a tribuna, no ataque ao governo passado, dentro da linha sem rumo e sem prumo do DEM. Ele considera uma ofensa às instituições acadêmicas o titulo concedido a Lula, e faz referência elogiosa à mesma homenagem prestada ao professor Miguel Reale. Esqueceu-se, é certo, de outros brasileiros honrados pela vetusta universidade, como Tancredo Neves. Não é preciso conhecer a teoria de Freud para compreender a escolha da memória de Aleluia.

O título universitário é, hoje, licença profissional corporativa. O senhor Aleluia está diplomado para exercer o ofício de engenheiro. A Universidade o preparou para entender das ciências físicas, e é provável que ele seja profissional competente, tanto é assim que ministra aulas. O título universitário certifica que o graduado estudou tal ou qual matéria, mas não faz dele um sábio. O conhecimento adquirido na universidade é importante, mas não é tudo. Volto a citar, porque a idéia deve ser repetida, os versos de um escritor mais identificado com a direita do que com a esquerda, T.S. Elliot, nos quais ele mostra a diferença entre ser informado, conhecer e saber: Where is the wisdom we have lost in knowledge? Where is the knowledge we have lost in information?

O título de Doutor Honoris-Causa, sabe bem disso o engenheiro Aleluia, não é licença profissional, mas o reconhecimento de um saber, construído ao longo do tempo, tenha o agraciado ou não freqüentado a universidade. O papel da Universidade não deveria ser o que vem desempenhando – o de conferir certificados de preparação técnica -, mas o de abrir caminho à busca do saber. O Senador Christovam Buarque, com a autoridade de quem foi reitor da UNB, disse certa vez que a Universidade ideal será aquela que não expeça diplomas.

Lula, com os seus defeitos, e não são poucos, é um doutor em política. Um chefe de Estado não administra cifras, não faz cálculos estruturais, não prolata sentenças, nem deve escrever seus próprios discursos. Cabe-lhe liderar os povos e conduzir os estados, e isso dele exige muito mais do que qualquer formação escolar: exige a sabedoria que desconfia do conhecimento, e o conhecimento que se esquiva das informações não confiáveis.

A universidade é uma instituição relativamente nova na História. Ela não foi necessária para que os homens, com Demócrito, intuíssem a física atômica; com Pitágoras e Euclides, riscassem no solo figuras geométricas e delas abstraíssem os teoremas matemáticos; e muito menos para que Fídias fosse o genial arquiteto e engenheiro das obras da Acrópole e o escultor que foi. Mais ainda: as maiores revoluções intelectuais e sociais do mundo não dependeram das universidades, embora nelas se tenham formado grandes pensadores – e sua importância, como centro de reflexões e pesquisas, seja insubstituível. O preconceito de classe contra Lula sela os olhos de Aleluia e os torna opacos.

Solidário o meu autodidatismo com o de Lula, quero lembrar o grande escritor norte-americano Ralph Waldo Emerson: um talento pode formar-se na obscuridade, mas um caráter só se forma no turbilhão do mundo.

É no turbilhão do mundo que se forma o caráter dos grandes homens.

O que preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.

Jair Bolsonaro.
As ofensas do Deputado Federal pelo Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro, veiculadas pelo programa CQC da Rede Bandeirantes, não podem ficar sem um forte protesto de todo o povo brasileiro. Não foi somente a cantora Preta Gil que foi agredida.

Vi nas redes sociais muita gente se posicionando por deixar este episódio prá lá, não fazer eco a ele, para não dar espaço para este senhor, qualificado de imbecil, e outros adjetivos de menor calibre.

Não concordo que devamos deixar isso sem um veemente repúdio da sociedade brasileira. Este senhor tem sido o porta voz de toda direita em nosso país, desde os neo-nazistas até os Demo. Tratá-lo como tolo é uma tolice nossa. Ele tenta se esconder numa capa de burrice dizendo que não entendeu a pergunta da cantora Preta Gil.

Na campanha presidencial recente, vimos o poder da direita quando aciona preconceitos enrustidos dentro de cada um de nós. Temos uma herança cultural latente dentro de cada um de nós, que apesar da nossa auto-crítica, não conseguimos purgar completamente. Nos momentos em que a economia vai bem, todo mundo se diz lulisla ou dilmista. Basta vir uma crise, dessas que o capitalismo volta e meia produz, seguido de um clima de desemprego, de violência e caos urbano, para que o desespero nos faça refem de um salvador messiânico que põe culpa nos comunistas, nos negros, nos homosexuais, ... nos diferentes de uma forma geral. Assim nasceu o nazismo de Hitler, o facismo de Mussolini ou o golpe militar de 1964.

Luther King
Todas as forças progressistas, todos os movimentos sociais, devemos denunciar esta estratégia da direita conservadora. Não é um episódio isolado e sem importância. Existe um movimento organizado da direita na America Latina qeu está dando suspiros de vida. 
Cuidado. Grite. Denuncie.
Como disse Martin Luther King: "O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons".

Deputada Epifânia Barbosa deverá assumir direção estadual do PT

Eduardo Valverde(InMemorian) e a deputada Epifânia
A Deputada Estadual Epifania Barbosa assumirá a presidência do PT em Rondônia substituindo o saudoso ex-deputado federal Eduardo Valverde. Já a sindicalista Claudir Mata assumirá a secretaria de organização, substituindo o saudoso professor Ely Bezerra,  decisões que tiveram o consenso da CNB, corrente vencedora do PED 2009.

A deputada comentou que vai se dedicar somente ao seu mandato e à presidência do partido, onde vai participar ativamente das articulações políticas visando as eleições de 2012 em todos os municípios. Em Porto Velho poderá ter novos nomes para disputar a cadeira de Roberto Sobrinho.
Fonte: O NORTÃO

NOSSO COMENTÁRIO:

A vida nos ensina que ninguem é insubstituível. Claro que ninguém no nosso partido tem o perfil político do falecido companheiro Dudu, entretanto a  companheira Epifânia é uma mulher de muitas qualidades e é uma liderança em ascenso dentro do Partido. Sua missão é dar continuidade na reorganização do PT enquanto partido popular,  de esquerda, socialista e viável.  Neste sentido, estamos juntos nesta luta.

domingo, 3 de abril de 2011

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres - SPM

Nota sobre as declarações dos deputados Bolsonaro e Marco Feliciano

(01/04/11)
“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza (…) a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei” – Art. 5º da Constituição Cidadã, Inciso XLII.
A Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) tem como objetivo, entre suas atribuições, promover a igualdade de gênero; acompanhar a implementação de legislação e ações afirmativas, além de definir políticas públicas que visem ao cumprimento dos acordos, convenções e tratados internacionais ratificados pelo Brasil, nos aspectos relativos à igualdade entre mulheres e homens e de combate à discriminação. Por isso, é nosso dever manifestar contrariedade às afirmações machistas, racistas, xenófobas e homófobicas proferidas pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ),  não só através da imprensa, como em discursos recorrentes no Congresso Nacional.
Inconcebível que um parlamentar desconheça a Constituição e que a viole com constância. No caso recente, em um programa de TV, Bolsonaro respondeu a Preta Gil, que o questionou como agiria se seu filho se apaixonasse por uma negra:  “Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco porque meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como, lamentavelmente, é o teu”.
Neste caso específico, o deputado federal violou, dentre outras, a Lei 7.716, de janeiro de 1989, (Art. 20), que estabelece que quem “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional” comete crime passível de reclusão de um a três anos e multa.
Na Constituição de 1988, o racismo também é considerado crime:
- Art. 5º: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
XLII – a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei.
A Secretaria de Políticas para Mulheres também repudia as afirmações racistas e homofóbicas de outro deputado federal, Marco Feliciano (PSC/SP), que publicou em seu twitter frases como: “Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato…”, e “A podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam ao ódio, ao crime, à rejeição”.
A SPM manifesta também seu apoio às entidades e movimentos sociais  que, em representação da sociedade brasileira, interpelam o deputado Bolsonaro, na forma da lei, em razão de discursos públicos de apologia à discriminação contra mulheres, em favor da homofobia, ao incitamento e prática de racismo e à violência contra crianças com traços que indiquem homossexualidade.
A União tem como competência, conforme explícito na Carta Magna de 1988,  “zelar pela guarda da Constituição, das leis e das instituições democráticas”.
O desrespeito reincidente e constante do parlamentar Jair Bolsonaro aos direitos humanos fere ainda tratados internacionais ratificados pelo Brasil, tais como a Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial.
A SPM reitera o respeito aos poderes instituídos, à democracia, ao valoroso trabalho dos parlamentares, mas não pode concordar que permaneçam impunes aqueles que, em desalinho com o espírito democrático e da representatividade do Congresso Nacional, incitam o preconceito, a discriminação e a violência.
Somos todos iguais perante a lei, inclusive os deputados Jair Bolsonaro e Marco Feliciano.
Secretaria de Políticas para as Mulheres
Assista aqui o vídeo em que Bolnonaro discrimina negras, homossexxuais e faz apologia a ditadura militar brasileira: