123

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Agrava crise entre Raupp e Confúcio.

 por Alan Alex (*)

O senador Valdir Raupp e seu grupo deram com os burros n’água ao tentarem desestabilizar a relação entre Governo e Assembleia Legislativa, usando o PT como pano de fundo. Apesar de ser atrapalhado, Confúcio Moura não é ingênuo e teve percepção suficiente para entender que estava sendo usado. Em uma conversa com o novo presidente da Assembleia, Valter Araújo na última sexta-feira, Confúcio decidiu não apenas manter o PT no governo, como ampliou o espaço da legenda. Por essa Raupp não esperava.

Agora
Ele tenta fazer as pazes com o deputado estadual Edson Martins, que, pressionado por Raupp mudou seu voto no dia da eleição da Mesa Diretora. O senador mandou seu suplente Tomás Correia atrás de Martins, nas vésperas da eleição, com um documento afirmando que o PMDB iria expulsa-lo e tomaria seu mandato, caso ele não mudasse seu voto. Com a faca no pescoço, Edson Martins se viu obrigado a protagonizar o vexame, que foi estar inscrito em duas chapas.

Pior
 
É que Raupp não queria Confúcio no governo. Sua candidata era Sueli Aragão, que foi derrotada na convenção do PMDB. Raupp queria emplacar o PT com o PMDB. Mas Confúcio na época bateu o pé e decidiu partir para a campanha. Raupp tinha uma certeza, que se Confúcio fosse eleito, ele teria pouco poder de decisão dentro do governo. A prova maior é que o Democratas, de José Bianco, vem conseguindo ocupar espaços importantes, e o grupo de Raupp, queimado devido a sua desastrada administração como governador, vai ficando cada vez mais escanteado. Problema é saber quem é pior, se o PMDB de Raupp ou o DEM, de Bianco e Silvernani.

Orquestrado

Até porque o PMDB de Raupp e o DEM de Bianco trabalham juntos para rifar o PT do governo. Não que os petistas sejam a oitava maravilha do Mundo, mas as secretarias ocupadas pela companheirada estão melhores com eles que com Silvernani, por exemplo. Mas o leitor pode ter certeza de uma coisa, essa novela ainda vai ter alguns capítulos extras.

PT

Davi Nogueira, secretário executivo do Partido dos Trabalhadores informou que em momento algum chamou o senador Valdir Raupp de mentiroso e sim que ele “faltou com a verdade” no caso envolvendo PMDB e PT. Davi disse ainda que sua opinião, divulgada segundo ele de forma distorcida em alguns veículos, é pessoal e não do partido, “quando parte da executiva do PT, a nota é assinada como tal, o que não ocorreu. Aquela é uma opinião pessoal”, explicou. De qualquer forma, essa cizânia arrumada por Raupp, PT, Confúcio e Assembleia ainda não acabou.

Motivo

A grande mágoa de Raupp com o PT foi o surgimento de panfletos apócrifos durante a campanha eleitoral, que foram encontrados no comitê de campanha do então candidato Israel Xavier. Raupp tem certeza absoluta que Edson Silveira foi o responsável pela confecção do material, mas não tem provas. E para azedar ainda mais essa já complicada relação, Confúcio Moura resolveu mandar um recado bem claro para o senador, ao nomear Edson Silveira como adjunto em uma secretaria.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário